sábado, 16 de janeiro de 2021

Coaching é treinamento motivacional?

Coaching não é “treinamento motivacional”. Aliás, não é treinamento e não se insere entre as chamadas “técnicas motivacionais”.

Como acontece com toda novidade que dá certo, o termo Coaching vem sendo vítima de apropriação indébita por grande número de oportunistas que procuram se revestir do pretenso prestígio que isso lhes possa render.

O mesmo fenômeno aconteceu com o termo consultor, que foi banalizado à exaustão, até ser esvaziado do sentido técnico. Hoje qualquer vendedor ou prestador de serviços se autodenomina consultor disto, consultor daquilo.

Havia um segmento próspero no mercado de palestras, cursos e orientação pessoal/profissional, denominado genericamente de auto-ajuda, ou autoajuda, após o novo acordo ortográfico. Porém esse termo foi sendo descaracterizado por conta da massificação, perdendo prestígio e credibilidade à medida que mais difuso se tornava. Com a decadência do mercado de autoajuda, muitos “palestrantes e treinadores motivacionais” trataram de pegar carona na nova estrela em ascensão... E o Coaching era a bola da vez.

 O fato do Coaching não ter um nome correspondente em português em mesmo em inglês demanda explicações, já que o termo Coach se aplica a uma considerável gama de profissionais e atividades, que inclui cocheiros, técnicos de esportes e treinadores em geral, facilitou a transferência da geleia geral para a rotulagem Coaching. Como se dizia antigamente, “a qualidade de sempre agora em nova embalagem”.

O Coach não é um treinador, nem um motivador profissional. Não confundir com o coach de esportes, ele sim um treinador. Para entender que é o Coach (do Coaching), é preciso primeiro entender o que é Coaching.

Coaching é uma metodologia de apoio individualizado para a identificação e o desenvolvimento das potencialidades do Coachee, com vistas à definição e atingimento de metas pessoais. Coachee é como se chama o cliente no processo de Coaching.

É importante esclarecer que Coaching não é uma técnica, mas uma metodologia, ou seja, uma forma de abordagem que se abre para a aplicação de inúmeras técnicas dialógicas, vivenciais e processuais, empregadas pelo Coach com a finalidade de franquear ao Coachee o acesso aos próprios recursos pessoais, bem como à identificação de seus propósitos e alinhamento desses propósitos com os valores pessoais.

A finalidade dessa abordagem é estabelecer um roteiro seguro de evolução pessoal, seja na esfera profissional ou existencial, definindo metas de resultado a serem alcançadas em decorrência da realização das metas de processo sequencialmente estabelecidas. Simplificando: Compreender a situação atual para, a partir dela, estabelecer uma situação desejada, ou Meta de Resultado. Uma vez conhecidos o ponto de partida e o ponto de chegada, é hora de traçar um roteiro de viagem, ou Plano de Ação, para a jornada realizadora.

É fácil perceber que esse processo resultará em um estado motivado, porém decorrente da autoestimulação e não de estímulos externos ou práticas artificiosas. Uma Meta de Resultado livremente escolhida pelo Coachee, após validação pelo código pessoal de valores, resultará em comprometimento e empenho na sua realização.

Nos próximos artigos entraremos em detalhes sobre os múltiplos aspectos envolvidos no desenvolvimento do Coaching.

 

Quer fazer uma pergunta para o Coach? Mande sua mensagem para albertocenturiao@gmail.com .

sábado, 9 de janeiro de 2021

– Coaching serve para quê? Para quem?

 Você está satisfeito/satisfeita com a carreira? Já chegou à posição profissional que sempre quis? Sua vida está do jeito que você deseja e a saúde, uma maravilha? Você pensa que “se melhorar estraga”? Ou... Gostaria de conquistar uma posição de maior destaque? Está pensando em mudar de carreira? Precisa planejar a vida pós-aposentadoria? Tem um sonho ainda não realizado? Está diante de um novo desafio? Precisa tomar uma decisão difícil? Quer mudar de vida? Tem um sonho a realizar, mas desconfia da sua capacidade?

Coaching é o instrumento para você dar uma guinada na vida e avançar em direção às suas metas. Que metas? Seu coach vai ajudar você a defini-las. Coaching é para quem deseja mudar. Ou, mais do que isso, precisa mudar. Pode ser que você já tenha uma ideia clara do que deseja. Ou pode estar apenas insatisfeito com a situação atual, ou numa fase em que a vida exige mudanças. Pode estar a viver um fim de ciclo, ou o início de um novo ciclo e tem necessidade de lançar um olhar estratégico sobre a situação para planejar o futuro.

 − Lembrando sempre que a meta é sua, o caminho é seu e você é a única pessoa que pode percorrê-lo.

Para entender o que é o Coaching, é bom entender primeiro o que não é.

Coaching não é “treinamento motivacional”. O coach não é um treinador, nem um motivador profissional. Não confundir com o coach de esportes, ele sim um treinador.

Não é psicoterapia, que focaliza a saúde mental (emocional, cognitivo, comportamental) do sujeito. O foco do Coaching é a identificação e realização das metas pessoais.

Não é consultoria, consultor é um especialista em orientar, aconselhar, dizer o que deve ser feito. O Coach não decide nem orienta, no Coaching as escolhas são todas do cliente, é você quem toma as decisões.

Coaching não é uma técnica, mas sim uma metodologia de abordagem e alinhamento da realidade pessoal do coachee, como nossos clientes são chamados. Isso significa que existem protocolos a serem respeitados em um processo estruturado que tem como ponto de partida a situação atual do coachee, passa pela identificação e definição de metas a serem alcançadas e pela construção de um projeto pessoal, ou plano de ação a ser implementado por ele para alcançar sua meta.

O Coaching se fundamenta em alguns princípios:

1) A pessoa mais indicada para decidir como a vida deve ser vivida é o próprio sujeito; 

2) A opinião do Coach é irrelevante, as únicas respostas que importam são as respostas do cliente; 

3) O Coach trabalha com o mapa mental e os valores pessoais do Coachee, sem impor a ele suas próprias referências.

Mas então, afinal de contas, o que é o Coaching?

Coaching é uma metodologia de atendimento individual para a identificação de potencialidades, definição de propósitos e realização de metas pessoais.

Coaching é sobre mudanças. É para quem deseja ou precisa mudar.

 

Nas próximas semanas voltaremos ao assunto.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Reflexão para um ano que agoniza em pleno corredor do calendário

 

 

Tem doença que mata e doença que maltrata. Tem a que maltrata e não mata e a fatal, definitiva, que mata sem maltratar. Tem ainda as mais cruéis, que matam devagarinho, por gosto de maltratar.

Doença de qualquer tipo a gente não quer passar. Mas, sendo que não tem jeito, se desse para escolher, cada um pensa dum jeito, prefere a morte ou sofrer. Uns querem a morte súbita, liquidar logo a fatura. Outros pedem a doença crônica, que arrasta sua asa negra no diário desconforto que transforma o organismo num estorvo requintado, dolorido e repisado.

Mas, seja qual for, a escolha pode ser contrariada. Quem tem saúde já sabe que essa alta é provisória e que um dia chega a hora de baixar enfermaria. Quando adoece, não sabe se a morbidez é benigna – que só maltrata e não mata – ou contém malignidade.

Se for benigna, ainda resta saber se crônica ou aguda: Se tortura lentamente ou dói tudo de uma vez.

Diagnóstico acertado também não é garantia, pois tem muita cura em falta na medicina hoje em dia. E o marketing da saúde, quando faz o lançamento de uma nova terapia, logo inventa nova síndrome, que conduz ao consultório nova leva de pacientes que se tornam portadores

de um novo mal incurável, mas que pode ser tratado, permitindo ao pobre diabo viver quase normalmente, se tomar alguns cuidados e a sua ração diária dos remédios receitados, de uso restrito e continuado.

A doença leva dor ao doente e seu entorno, que sofre, por empatia, de perda súbita ou dó. Tem doença de varejo, que pega uma só pessoa. E tem outras, de atacado, que logo vão produzindo estatísticas sinistras que adornam o noticiário.

Tem distúrbio bem discreto, que causa uma dor secreta. E tem os escandalosos, que, mais que ser dolorosos, maltratam a criatura exibindo-lhe a figura em situação humilhante, enquanto não chega o dia de levá-la à sepultura.

Ter doenças ninguém quer, mas ninguém delas escapa, seja homem ou mulher. E o que mata um vivente, para outro não é nada. Uns curam-se do incurável, outros partem desta vida por um simples resfriado.

Os tratamentos variam conforme a fé do coitado. Uns creem na medicina, outros dela desconfiam. Uns querem curar o corpo e outros, desencantados, procuram, resignados, tratamento paliativo ou terapia que ajude seu espírito cansado a resistir bravamente ante a tortura cruel, sem esperança de cura.

Seja qual for a doença, desconforto ou agonia, isso é coisa de nascença, que se aprende desde cedo a suportar todo dia. A cura definitiva, a remissão radical, por mais estranho que seja, é algo que ninguém quer. Todos temem essa hora, o doente em agonia implora por mais um dia vivendo na enfermaria. Preferem a recidiva que a alta definitiva: ter seu óbito atestado e registrado em cartório.

Mas raciocine comigo, colega de enfermaria: Se o corpo vive doente, entra e sai do hospital, então livrar-se do corpo será saúde, afinal? Será, viver neste mundo, necessário tratamento para males mais profundos? Estaremos, talvez, (− Quem diria!) numa grande enfermaria, onde uns tomam remédio, outros fazem cirurgia, alguns inspiram cuidados e outros, mais agravados, vivem presos a aparelhos, monitorados de perto pela equipe do plantão?

Não sei, nem devo saber se isto faz algum sentido. Cada um sabe de si e do texto sabe o leitor. Mas veja se não ocorre muita gente ser curada de morbidezas da alma quando sente a morte perto, rondando-lhe a cabeceira? Ou quando a dor lancinante trespassa o seu organismo?

Não lhe parece também que algumas chagas da alma cicatrizam quando o corpo em chagas se desmilingue? Ou que algumas pessoas melhoram sensivelmente enquanto o corpo adoece?

Mas nem sempre isso acontece, eu concordo com o leitor. Tem quem sofre e não aprende e o que aprende sem sofrer. Sucede que se esta vida for mesmo um grande hospital, terapias alternativas devem estar disponíveis. Que se trate como quer, do jeito que lhe aprouver.

Concordo que algumas vezes a gente não tem escolha, mas será que nesses casos a escolha foi sendo feita aos poucos, devagarinho, assim definindo o caminho que conduz à enfermaria?

Peço, releve o leitor assunto tão enfermiço, inda mais numa hora destas, em cima do fim do ano, quando todos fazem planos e formulam seus desejos de saúde e coisas boas.

É que hoje estou sorumbático, talvez um tanto apreensivo, pensando que estar no mundo deve ter algum motivo.

Mas saibam que neste corpo, mesmo que meio imperfeito, meu coração bate forte, em código Morse afetivo, mensagens esperançosas de quem busca nas palavras a cura da minha alma, palmo a palmo com a sua, nesta drágea de poesia.

AC- Sampa, 31/12/12.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Propósito Pessoal Para 2021


Promessas de Ano Novo nem sempre são cumpridas. Já se perguntou por quê?

Final de ano... Período complexo, de um ano em que os ritmos da vida foram drasticamente alterados, interrompidos, quebrados...

Quer você esteja em monástico recolhimento na intimidade silenciosa da sua quarentena, ou em febricitante expectativa para pular as ondinhas na imprudência de uma praia superlotada, o fato é que a passagem de ano induz à reflexão sobre a vida, numa avaliação quase contábil do quanto avançamos no ano que se finda, formulando propósitos a serem cumpridos no novo ano em perspectiva.

Entra dia, sai dia, porém, entra ano e sai ano... E as promessas frequentemente acabam caindo no vazio do esquecimento. Por que será?

Claro que existem circunstâncias impeditivas ou novos caminhos que se abrem... Mas o que mais frequentemente acontece é que você simplesmente esquece a promessa tão fervorosamente formulada. Sabe por quê? Porque não era importante. Discorda de mim? Acredita mesmo que o propósito estabelecido tinha grande importância? Talvez sim, talvez fosse importante... Mas será que era realmente importante para você? Pense bem se não havia alguma coisa mais importante a atrair sua atenção e canalizar seus esforços?

Se você pretende cumprir as promessas de Ano Novo, verifique se os propósitos formulados são realmente importantes... Para você.

Perguntas para a formulação de propósitos de Ano Novo:

1.      Quanto eu já realizei até aqui?

a.      Quais as minhas principais conquistas anteriores?

b.      Quais as minhas competências?

2.      Qual o meu propósito a ser realizado em 2021?

a.      Está ao meu alcance essa realização?

b.      Por que isso é importante?

c.       Existe outro objetivo mais importante, que poderá distrair minha atenção do propósito estabelecido?

d.      Em caso afirmativo, seria esse o meu verdadeiro propósito para 2021?

e.      Eu realmente desejo essa conquista?

f.        Isso é realmente importante para mim?

g.      Eu realmente desejo isso?

h.      O que eu vou conseguir com isso?

i.        O que tenho a ganhar? E a perder?

j.        Quão intensamente feliz eu vou me sentir?

3.      O que já tenho e o que me falta para alcançar meu propósito?

a.      Quais as minhas melhores habilidades?

b.      Talentos e qualidades que posso aproveitar melhor?

c.       Conhecimentos que me faltam?

d.      Habilidades que preciso desenvolver?

e.      Quais as mudanças de hábitos envolvidas no meu propósito?

4.      Qual o passo a passo para alcançar o que quero?

a.      Posso fazer um fracionamento mensal da minha jornada?

b.      Estabelecendo uma linha do tempo para criar um cronograma de ações... O que farei em janeiro? / Em fevereiro? / Em março...???

c.       O que posso fazer ainda hoje, que dependa só de mim, para dar o primeiro passo dessa jornada, provando a mim mesmo o meu engajamento?

d.      Como saberei que estou avançando? Existe um modo de eu monitorar o processo mês a mês, a fim de confirmar o progresso ou me alertar para atrasos no processo?

5.      Qual a minha flexibilidade no processo?

a.      Quais as minhas reservas extra... De recursos? De conhecimentos?

b.      Qual o meu grau de disposição para as necessárias mudanças de hábitos?

c.       Existe um plano B?

d.      Eu desejo realmente mudar?

6.      Como eu me sentirei em dezembro de 2021, tendo conseguido meu propósito?

a.      EU QUERO?

b.      EU POSSO?

c.       VAI SER BOM?

                                                                          i.      Para mim?

                                                                        ii.      Para os outros envolvidos?

d.      EU MEREÇO?

Esse questionário é uma boa referência do que o seu Coach perguntaria a você em uma sessão para definir os propósitos para o Ano Novo.

Feliz VOCÊ em 2021!

 

Quer fazer uma pergunta para o Coach? Mande sua mensagem para albertocenturiao@gmail.com .

 

Quem é Alberto Centurião?

Coach certificado pela Sociedade Latino Americana de Coaching e International Association of Coaching−Institutes, com especialização em coaching executivo e liderança coach.

Autor dos livros:

Brasil 500 Anos de Mau AtendimentoOmbudsman, a face da empresa cidadã Call Center ao alcance de todos − Livrinho! (Micropoemas) – O Caminho, Uma história de Coaching (E-book).


domingo, 22 de novembro de 2020

Produzindo conteúdo para as redes sociais - 8

 

Media Training Online

Quer saber mais sobre o assunto?

Quer fazer um treinamento online?

Precisa de Coaching para fazer mudanças radicais em sua vida?

Entre em contato com o autor.

 albertocenturiao@gmail.com

Quem é Alberto Centurião?

Coach certificado pela Sociedade Latino Americana de Coaching e International Association of Coaching− Institutes, com especialização em coaching executivo e liderança coach, Practitioner PNL com formação em Hipnose Ericksoniana. Atua como Coach Executivo, Coach de Vida e Carreira.  Consultor em Comunicação com foco em Liderança, Marketing e Ouvidoria.

Dramaturgo e encenador especializado em espetáculos e audiovisuais para o público corporativo, entre eles “O Caminho – Uma História de Coaching” para a SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching.

Diretor teatral especializado no uso de técnicas de preparação de atores para a formação de comunicadores.

Autor dos livros:

        Ombudsman, a face da empresa cidadã – Educator

        Brasil 500 Anos de Mau Atendimento – Educator

        Call Center ao alcance de todos – Ortegel Telecom

        O Caminho – Uma história de Coaching (E-book)

 Obras em coautoria:

        Coaching na Prática (Coord. Editorial) – Ed. França

        Ser + com Coaching – Ed. Ser Mais

        Gigantes das Vendas – Ed. Landscape/VendaMais


sábado, 21 de novembro de 2020

Produzindo conteúdo para as redes sociais - 7

 

7.     A Imagem

Qual a imagem pessoal que você pretende transmitir?

Agora que você já sabe o que pretende, definiu para quem vai falar, o que vai dizer e a sequência de apresentação do seu discurso estruturado, chegou o momento de definir a imagem pessoal a ser projetada para o seu público.

Atitude, expressão, ritmo, entonação, linguagem, forma de falar, forma de vestir, de gesticular, de ficar sério ou sorrir... São fatores importantes para a construção de sua imagem pessoal como comunicador.

Lembre-se que a imagem pessoal do comunicador está umbilicalmente ligada ao seu público. É para ele, e em função dele, que o comunicador existe. Seu objetivo é conquistar uma posição de autoridade moral capaz de influenciar gostos, tendências, ideias, atitudes, escolhas e preferências.

Essa autoridade somente se estabelece com aprovação e consentimento do público, nunca por vontade do comunicador. É o público que aprova, aceita, divulga e autoriza o direito de opinião do comunicador.

Um influenciador digital, ou presencial, se estabelece em consequência da aceitação popular, vale dizer, de uma parcela específica da população, que aprova, assimila e referenda o que esse comunicador tem a dizer.

Por outro lado, o comunicador deve fidelidade a si mesmo. Aos seus princípios, aos seus valores pessoais e ao seu jeito de ser. Cada orador tem a sua personalidade e a figura levada a público é uma face reveladora dessa personalidade. Quando trai sua própria personalidade, tentando aparentar quem não é, o comunicador perde autenticidade e fica sem poder de envolvimento e persuasão perante seu público.

Portanto, seja fiel a si mesmo, respeitando sua personalidade e seu jeito de ser, preservando a espontaneidade. Busque em si mesmo os modos de expressar-se que mais agradem e causem melhor impressão naquelas pessoas a quem você pretende influenciar.

Isso fará de você um comunicador único, uma comunicadora inconfundível, capaz de obter reconhecimento e receber permissão para influenciar outras pessoas.

 São Paulo, outubro/2020.

 ∞8∞8∞8∞

Gostou? Solicite o texto completo em PDF.